Clube

Nossa História

O Maringá Futebol Clube (MFC) foi fundado em 2010 com o objetivo de se tornar o clube do povo, resgatando a tradição do futebol local pelas mãos de maringaenses natos. Após muito tempo, a cidade voltou a ter um clube de futebol movido pela paixão e não em busca do enriquecimento dos gestores. No mesmo ano da criação, o tricolor maringaense, como é conhecido, obteve sua primeira conquista, a Terceira Divisão do Campeonato Paranaense de Futebol.

No ano seguinte o MFC chegou a disputar a semifinal da segunda divisão, mas o título da competição veio apenas em 2013, após vencer o Prudentópolis na final da competição. Em 2014, sua estreia na primeira divisão, o Maringá fez uma campanha espetacular, chegando a grande decisão da elite do futebol paranaense contra o arquirrival Londrina.

Em duelos equilibrados, 2 a 2 em Londrina no primeiro jogo e 1 a 1 em Maringá, a decisão foi decidida nos pênaltis, mas o tricolor acabou derrotado, ficando assim com a segunda colocação no campeonato. Esse feito colocou a cidade de Maringá em uma final de Campeonato Paranaense após 33 anos.

Com a boa campanha no Estadual, o time garantiu a participação pela primeira vez no Campeonato Brasileiro da Série D. No entanto os resultados não foram tão positivos como no estadual. Com menos patrocínios a equipe não conseguiu manter a base de atletas da competição anterior e teve que reformular quase todo o elenco. Com essa mudança o time acabou saindo ainda na primeira fase da competição.

No ano seguinte, 2015, o tricolor realizou mais uma boa campanha no estadual, terminando a primeira fase da competição em quarto lugar, mas acabou sendo eliminado nas quartas de finais. Devido à boa campanha em 2014, o Maringá FC estreou na Copa do Brasil em 2015. Na primeira fase o time eliminou o Madureira - RJ em dois grandes jogos. Na segunda fase da competição nacional o time enfrentou o Santos de Robinho, Elano e Renato e realizou um dos confrontos mais difíceis da equipe da Vila no ano. No primeiro jogo, realizado no Estádio Regional Willie Davids, o Maringá empatou em 2 a 2. Já no segundo jogo, o peixe venceu por 1 a 0 e ficou com a vaga. Mesmo com a derrota o Maringá garantiu uma campanha digna de uma equipe guerreira e de qualidade que estreava na competição.

No segundo semestre de 2015 veio o terceiro título da história do Maringá Futebol Clube, a conquista da primeira edição da Taça Federação Paranaense de Futebol (Taça FPF). Essa competição é organizada pela FPF e possui idade máxima de 23 anos para os atletas inscritos. O tricolor realizou uma excelente campanha, ficando em segundo lugar na primeira fase da competição, atrás apenas do Toledo.

Na final, as duas melhores equipes se enfrentaram em dois jogos. No primeiro, jogando no Willie Davids, o Maringá FC venceu por 2 a 0. Na segunda e decisiva partida, o jogo terminou empatado em 1 a 1 e o título ficou com o tricolor maringaense. Com a conquista, o Maringá garantiu, de forma antecipada, a vaga para a Série D do Campeonato Brasileiro 2016 pela segunda vez em sua história.

Em 2016, o ano em que o time teria o "calendário perfeito", uma briga interna acabou atrapalhando o planejamento da equipe. Uma ruptura entre o presidente João Regini e o diretor de futebol Paulo Regini, que estavam à frente do clube desde 2013, com o presidente de honra, Aparecido Regini (Zebrão), fizeram com que os dirigentes renunciassem aos cargos, deixando o time apenas no comando do Aparecido Regini, o Zebrão.

O resultado do conflito interno refletiu em campo e o time acabou rebaixado no campeonato Paranaense com a pior campanha da sua história. No segundo semestre, com a vaga garantida na Série D, uma parceria com o empresário de Arapongas, Adir Leme, fez com que o time ganhasse força para a disputa da competição, no entanto, o resultado em campo não foi o esperado e o time não conseguiu a classificação para a segunda fase.

Após as competições, em agosto de 2016, o presidente de honra e diretor do time, Aparecido Regini, o Zebrão, resolveu abrir mão da equipe. Com isso, um grupo formado pelos antigos dirigentes João Regini e Paulo Regini, juntamente com o médico radiologista Gustavo Pozzobon, assumiram o comando administrativo da equipe. A nova diretoria ainda teve a entrada do empresário do ano em 2015, João Vitor Mazzer e posteriormente dos empresários Márcio Sendeski, Clério Dallazen Júnior, Eduardo Jann e Rafael Dacome . Hoje o Maringá é presidido pelo João Regini, o vice-presidente é o Gustavo Pozzobon, o diretor de marketing é o João Vitor Mazzer, o diretor administrativo financeiro é o Clério Júnior e o diretor de futebol é o Paulo Regini. Os demais atuam como conselheiros.

Com o objetivo de resgatar a paixão pelo futebol maringaense, a nova diretoria desenvolveu um projeto inovador e transparente para o Maringá Futebol Clube. O intuito é tornar o time maringaense um exemplo de gestão e profissionalismo, consequentemente se tornando uma potência do futebol paranaense. Além do cenário estadual, o Maringá Futebol Clube pretende voltar a ser destaque positivo no cenário nacional.

Em 2017 o Maringá Futebol Clube renasceu e garantiu a conquista dos títulos do Campeonato Paranaense da Segunda Divisão no primeiro semestre e da Taça Federação Paranaense de Futebol no segundo semestre do ano.

De volta à elite do Estado em 2018, o time fez bonito e terminou na quinta colocação geral, ficando atrás apenas de Atlético PR, Coritiba, Londrina e Paraná Clube. Na Série D, novamente o time fez história e garantiu, pela primeira vez, a classificação para a segunda fase da competição. O sonho maior do acesso não foi possível, e o tricolor foi eliminado pelo Caxias ? RS, na segunda fase.

Em 2018 o calendário está completo e novamente o tricolor pretende fazer bonito no Paranaense, buscando a Série D de 2020 e a Copa do Brasil. Após o estadual, o time terá novamente a chance de disputar a Série D, com objetivo de conquistar o acesso à Série C do Campeonato Brasileiro.